domingo, 21 de junho de 2015

IRON WINGS: Propaganda Imperial (Star Wars)

Tenho organizado material para uma campanha de Star Wars usando pilotos Tie como base.
Versão "do outro lado" do Esquadrão Rogue, parte do meu problema é definir como pilotos justificariam a si mesmos seu papel na luta pelo lado dos vilões.


O fato é que absurdos como destruir um planeta inteiro não gerara medo, mas revolta entre os mais de 100.000 planetas, e seria terrivelmente negativo para o império manter uma posição dessas. Mais fácil seria culpar os rebeldes, e mexer com medos de Jedi e Sith na cabeça da população em geral como forma de manter o poder galático algo a ser apoiado.

Daí surgiram algumas idéias, condensadas nessas diretrizes (ver abaixo), bem como outras coisas.

Por exemplo, a criação de um holofilme chamado  "O Bom Jedi" (existe um filme horrivel nazista chamado "O Bom Judeu" que foi usado como justificativa para  o ações como o genocídio), onde um Jedi (não-humano por sinal) seria criado como personagem vil e traiçoeiro, pregando justiça e castidade, mas usando seus poderes para dominar a mente de pessoas jovens e consegui delas obediência.

Os rebeldes, para Imps, são vilões. Baderneiros, agitadores, sabotadores, contrabandistas e a escória que quer acabar com a ordem social galáctica - inclusive explodindo planetas com alguma arma temerária e repulsiva - possivelmente de origem Sith.

Nas HQs de SW tem uma passagem em "Guerras Clônicas" que dois soldados pró-federação discutem como os Jedi são terríveis - raptando crianças, assassinando multidões e cultivando pessoas em tanques (os clones) para servirem como soldados em sua guerra. Um Jedi lembra que isso acontece porque a maioria das pessoas jamais conheceu um Jedi de perto, e quando os vê costuma ser do lado errado de um sabre de luz. Prato cheio para propaganda política e para misturar a imagem deles com a dos terríveis Sith.

Além disso o universo SW raramente faz grandes entradas sobre religiões não - Jedi, exceto para flar sobre misticismos que tendem ao lado negro da força (raras exceções). Usar a religião e a crença da FORÇA como um instrumento de controle, falsamente dotando os inquisidores de uma pureza e correção respeitáveis, certamente não é novidade em nossa sociedade.

O racismo, ou mais especificamente, o "Especifismo" dotando os humanos de "qualidades" especiais seria outra forma - inclusive sugerida oficialmente no Universo SW - de se utilizar de conceitos "nós x Eles" como condução de uma ideologia particularmente Filha da Puta - porém funcional em grandes populações.

A campanha se chama "IRON WINGS" e tem como grupo pilotos diversos (humanos quase todos) envolvidos em um projeto de melhorar a imagem Imperial através de Soldados de Elite. Cada um deles com suas proprias razões para odiar os rebeldes e querer sua destruição.

Vamos às Diretrizes (material absolutamente não-oficial):


As Diretrizes Palpatine:
1# Direitos Galáticos para Humanos Direitos: - Só tem direito a plena cidadania aquele homem ou mulher humanos que cumprem seus deveres cívicos. Baderneiros, contrabandistas, a escória da galáxia, enfim, devem ser tratados de forma dura de modo a não colocarem em risco a saude e o modo de vida do cidadão de bem galático.
2# Não à relações inter-espécies - A Força criou Oton e Ewa e não Oton e Wookie. Nossa especie humana, sendo a mais bem definida e bela dentre todas as espécies galáticas, sempre foi o motor que moveu as engrenagens galáticas. A espécie mais numerosa, mais bem-sucedida dentre todas certamente é a mais evoluida e a mais digna de governar sobre as demais. Fica assim, sendo tratado como o crime de BESTIALISMO qualquer relação sexual ou afetiva entre humanos e quaisquer outra espécie, mesmo humanoides, por toda a extensão do Império. Se fosse natural duas pessoas de espécies diferentes terem relações, uma prole poderia ser concebida nestes casos, o que obviamente não ocorre.
3# A Religião da Força Redentora (RFR) é a ÚNICA religião verdadeira. - Nosso sábio imperador, Palpatine I, deseja que todos possam ser salvos de seus erros e enganos pela força da Força. Diferentemente dos Jedi, agora extintos, nós verdadeiramente prezamos a paz, a todo custo, pela galáxia. Como instrumento de sabedoria e compaixão, estamos enviando inquisidores imperiais aos mais distantes locais para esclarecer e trazer as pessoas para o lado correto da Força. Muitas histórias de terror são contadas às crianças sobre os terríveis Jedi, que invadiam mundos levando morte e destruição. Muitas destas histórias, infelizmente, são verídicas.

4# Um Imperador, Uma Galáxia. Uma Economia: Todos os bens gerados por habitantes da galáxia pertencem ao Imperador Palpatine I. Ele, em sua sabedoria, redistribui o que é produzido para diferentes planetas e colônias para levar prosperidade a todos. Duvidar do Imperador é duvidar da Força que, por bem, colocou nopsso amado líder no poder em nosso momento de maior necessidade - a Guerra Civil de 20 anos atrás. Sejam bons cidadãos e obedeçam a quem só vos quer bem. E paguem seus impostos em dia.

5# Um Stormtrooper é um amigo a quem se pode confiar: Sempre alertas e vigilantes, o braço armado do império tem como símbolo a cor branca de seus soldados, revelando a pureza de seus ideias aprendidos a duras penas em academias. Se conhecer algum sabotador rebelde, confie em seu amigo Stormtrooper que ele ajudará a proteger você e sua família.
6# A Doutrina Tarkin: Subhumanos infelizmente não conhecem outra linguagem senão a das armas. O Grande Moff Tarkin, herói galático difamado pelos tolos e pelos fracos, fez o possível para impedir que a gloriosa Alderaan fosse destruida por uma bomba rebelde. Acabou ele falecendo em um ataque suicida da escória rebelde que implodiram com um armamento desconhecido - desconfia-se um armamento de origem sith - a estação de batalha "Estrela da Justiça" - Rebatizada de "Estrela da Morte" em homenagem aos milhões de soldados imperiais mortos. São perigosos os tempos para a civilização galáctica e cabe a cada um de vocês fazer a sua parte pelo bem de todos.


Abraços
Brega Presley


quinta-feira, 28 de maio de 2015

ARCA DO TESOURO NACIONAL - ABISMO!: BEM VINDO AO MUNDO DO SOBRENATURAL!





Olá amiguinhos!

Continuando nossa série de matérias da Arca do Tesouro Nacional, falaremos hoje sobre um RPG pioneiro, que apesar do sucesso, era um jogo indie e de publicação própria. De autoria de Marcos Aranha, o RPG Abismo! até hoje tem fans que aguardam pelo retorno de sua publicação.

O jogo era impresso um a um e distribuído na Gibeteria e Bárbaras Magias, tradicional loja de RPG no Rio de Janeiro, comandada pelos amigos Thiago e André que eram da equipe de organização do RPG RIO. Pelo baixo custo, e ótimo material, diferente de tudo que já havia sido antes publicado, o jogo logo fez sucesso, e nas palavras do autor, ele inclusive conseguia viver da venda das publicações.

sexta-feira, 22 de maio de 2015

ARCA DO TESOURO NACIONAL - MILLENIA: O PRIMEIRO SCI-FI NACIONAL



Olá amiguinhos!

Na terceira matéria da série especial Arca do Tesouro Nacional, traremos para vocês um dos mais revolucionários RPG's produzidos no Brasil, principalmente por ser o primeiro a abordar o tema sci-fi, inovando onde o padrão da época era fantasia medieval: Millenia.

O RPG foi produzido por Ygor Esteves e Pedro Vicente, e assim como os outros grandes ícones dos anos 90, foi publicado pela Editora GSA. Em Millenia, você joga séculos no futuro, conforme a sinopse desenvolvida pelos autores:

quinta-feira, 21 de maio de 2015

ARCA DO TESOURO NACIONAL - TAGMAR: O PRIMOGÊNITO

Olá amiguinhos!

Seguindo a sequência de nosso projetos Arca do Tesouro Nacional, trazemos hoje àquele que é a pedra primordial do RPG brasileiro, e que abriu o caminho para novas publicações para o hobbie por aqui. É claro que estamos falando do primogênioto, TAGMAR.

Criado por Marcelo Rodrigues, Ygor Moraes, Julio Augusto Junior e Leandro Nahoum, e publicado pela extinta Editora GSA, o RPG foi o primeiro 100% brasileiro e tinha uma a intenção de abrir o mercado para esse tipo de jogo. Uma das novidades trazidas por Tagmar, é que ele concentrava todo o jogo em um único livro, diferente dos jogos importados como D&D e GURPS, e além disso, trazia um novo conceito de jogo, com ferramentas inovadoras, o que agregou muitos fãs ao sistema, até o encerramento das atividades da GSA no fim dos anos 90, quando o projeto parou, renascendo anos depois, em uma nova e atualizada versão.